Campo Grande-MS 24.04.2017
Perspectivas para o comércio eletrônico em 2016
Quinta-Feira, 10.03.2016 às 22:00
Perspectivas para o comércio eletrônico em 2016
O segmento deve observar crescimento de dois dígitos em vendas
Gastão Mattos *
Para o Portal Top Vitrine
Gastão Mattos

O comércio eletrônico brasileiro não passará incólume ao cenário agravado da crise econômica no país em 2016.

 

Ainda assim, as perspectivas para o próximo ano não são desanimadoras, pelo contrário: o segmento deve observar crescimento em vendas, de dois digitos comparado a 2015, sendo um dos poucos negócios com esta projeção, bastante positiva.

 

Na verdade, este crescimento poderia ser muito maior, caso as condições econômicas fossem favoráveis.

 

Partindo desta ótica, o mercado de e-commerce se fortalece cada vez mais como um setor fundamental para a economia do País, abrindo portas para novos empreendedores e grande diversidade de negócios, considerando a imensa cadeia de valor deste negócio que vai desde as próprias lojas, meios de pagamento, adquirentes, plataformas, hostings, soluções de segurança, analytics, marketing, entre muitas outras.

 

Frente a isso, é possível afirmar que o comércio eletrônico será cada vez mais relevante para o varejo, de forma que os lojistas que atuam nos meios físico e virtual deverão investir mais no meio online, para garantir o sucesso dos negócios e se manterem competitivos.

 

Neste sentido, a convergência entre canais de compra (e-commerce, m-commerce, loja física, TV interativa e etc) deve crescer e se tornar o grande diferencial para atrair os consumidores devido às facilidades que modelo oferece.

 

Um estudo da Varese Retail aponta que 51% dos brasileiros pretendem comprar em lojas físicas e também na internet. O mobile commerce também merece atenção especial em função do aumento do uso de smartphones.

 

Um tema de permanente atenção, que ganhará ainda maior importância em 2016 é a gestão da conversão da loja online. Um estudo da Braspag/IBOPE e-Commerce de 2014, apontou que a conversão média do comércio eletrônico brasileiro é inferior a 2%, ou seja, de cada 100 visitantes, em média, apenas dois (ou menos) concluem a compra.

 

Sendo assim, qualquer melhoria de performance na conversão bastante é impactante, pois equivale a vender mais com o mesmo custo fixo da operação.

 

Em ano de retração econômica e dificuldades gerais no orçamento, a melhoria de eficiência é fundamental. E neste aspecto, nada mais estratégico para uma loja online focar no aumento de sua conversão.

 

Um ponto de especial atenção para lojistas de todos os tipos e portes, é a dificuldade de crédito do consumidor. A proporção de transações negadas em cartões por falta de crédito deve aumentar, piorando a conversão da loja.

 

A Braspag oferece duas funcionalidades interessantes para ajudar no tratamento das transações negadas: a compra com múltiplos meios de pagamento, onde o consumidor pode dividir o valor a ser pago por uma única compra, em mais de um cartão de crédito, e a Retentativa, na qual pedidos negados podem ser parametrizados para uma nova tentativa, desde que haja probabilidade de sucesso.

 

Mesmo com a necessária cautela, o e-commerce brasileiro vai continuar crescendo, mantendo-se como um dos setores mais atrativos para novos empreendedores.

 

O uso expansivo de novas tecnologias e funcionalidades é recorrente neste mercado, o que explica a sua performance virtuosa de crescimento e a superação de cenários negativos, o que é esperado também para o próximo ano.

 

* Gastão Mattos é CEO da Braspag, empresa do grupo Cielo.

18 MARçO - SEG
Quem? Eu, tu, eles
31 JANEIRO - SEX
Tome cuidado com o que você conecta à Internet
13 SETEMBRO - SEX
Aplicativos para conectividade SYNC
18 FEVEREIRO - QUI
Norton aponta oito previsões de cibersegurança para 2016
Busca Detalhada
Utilize a busca avançadas do site para encontrar o que deseja em termos de noticías.